segunda-feira, 20 de abril de 2009

OLIVENÇA - cidade ocupada

Cidade de Olivença

O município de Olivença tem 430 km² e está situado na margem esquerda do Rio Guadiana. Tem a forma aproximada de um triangulo, com dois dos vértices no Guadiana.
A cidade de Olivença fica a 23 km de Elvas e 24 km de Badajoz. Lisboa dista 236 km e Madrid 424 km. A ligação a Elvas e ao restante território português faz-se por uma ponte sobre o Guadiana, que foi construída em 2.000 mesmo ao lado das ruínas da Ponte da Ajuda.
No município de Olivença estão incluídas as vilas de S. Francisco e S. Rafael e quatro aldeias .
Nossa Senhora da Assunção da Talega ou Táliga, que é outra povoação do antigo território de Olivença, é um município separado desde 1850. Pelo contrário, a aldeia de Vila Real, hoje parte de Olivença, era uma freguesia do concelho de Juromenha, actualmente integrado no concelho do Alandroal.
Em sequência da Guerra das Laranjas, que foi o prelúdio da Guerra Peninsular, o tenebroso Manuel Godoy, à frente das tropas espanholas, veio ocupar Olivença e destituir o governador Júlio César Augusto Chermont, que não ofereceu resistência.
Poucos dias depois, a Espanha impõe a Portugal os tratados de Badajoz, de 06 de Junho, e de Madrid, de 29 de Setembro de 1801, segundo os quais "Su Majestad Católica [rei de Espanha] conservará en calidad de conquista, para unirla perpetuamente a sus dominios y vasallos, la plaza de Olivenza, su territorio y pueblos desde el Guadiana; de suerte que este río sea el límite de sus respectivos Reinos". No dia 14 de Agosto de 1805 veio a ser lavrada a última acta da Câmara de Olivença em língua portuguesa
O roubo a Portugal acabara de ser consumado!.

*Muralha do Castelo de Olivença*

Com a vitória das tropas nacionalistas na Guerra Civil de Espanha, aumentou a pressão para a aculturação e colonização de Olivença. No município oliventino foram criados, em 1956, dois "poblados de colonización" — San Francisco de Olivenza, assim chamado em honra do General Franco, e San Rafael de Olivenza, que deve o nome ao então ministro de Agricultura, Rafael Cavestany Anduaga — ambos núcleos populacionais de colonização, constituídos por habitantes oriundos de diversos pontos de Espanha.

Na segunda metade do século XX, dois importantes políticos portugueses foram fervorosos adeptos da recuperação de Olivença: o General Humberto Delgado e o Almirante Pinheiro de Azevedo, que chegaram a desempenhar funções de destaque noGrupo dos Amigos de Olivença, que foi fundado em 1944. Pinheiro de Azevedo foi autor do livro "Olivença está cativa pela Espanha: por culpa de quem?", em 1982, e chegou a propor uma "marcha verde" sobre a cidade. Outros movimentos irredentistas activos são a Sociedade Pró-Olivença (fundada em 1938 e o Comité Olivença Portuguesa, também fundado em 1938. Mais recentemente a "Questão de Olivença" tem vindo a ser referida no "The World Factbook", de CIA, onde se diz que: "Portugal não reconhece a soberania espanhola sobre o território de Olivença baseado numa interpretação diferente do Congresso de Viena de 1815 e do Tratado de Badajoz de 1801"

1 comentário:

Ibérico disse...

O C.O.P. (Comité Olivença Portuguesa) não foi fundado em 1938, mas em 1988, e legalizado em 1990. Obrigado.